Google+ TRICÔ? SIM! tricô contemporâneo: Outubro 2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Xale Holden, a importância da escolha do fio e por que o trico é como a vida.

O Holden Shawlette é lindo e lá fui eu fazer o meu (tem traduzido aqui) primeiro a três anos atrás. Escolhi um fio de algodão, acho que foi Cléa. Odiei do fundo do meu coração fazê-lo, não gostei de trabalhar com fio de algodão fininho por tanto tempo... mas sou tão apaixonada por esse xalinho que fui fazer amostras para encontrar o fio ideal... que me desse tanto prazer tricotando quanto usando e decidi que o próximo que farei será com uma malabrigo silky merino. Ok, questão resolvida.

Aí eu fui internada. Enxaqueca e tontura não combinam com nada com tricô. E eu decidi continuar tricotando, para pelo menos alguma coisa fazer sentido (já que o mundo girava!), nessa época, eu estava na parte do ponto meia, não tinha começado as "ondas" ainda. Saí do hospital, fui pegar o tricô de novo e o que eu vejo? TAVA CHEIO DE BURACO! tinha uns 6 e eu fiquei furiosa, *#$%#!! não queria voltar atrás porque não estava gostando de ter contato com aquele fio. Não queria continuar um trabalho esburacado, passei semanas (!!!) pensando no que fazer quando a ficha caiu: eu teria de tomar uma decisão e ficar contente com ela. Resolvi continuar o tricô, afinal ele foi materializado num período pontual da minha vida e como na vida, nada é perfeito e nós temos sempre de seguir em frente.
Aí eu bloquei o danado e ficou lindo! Uso direto!

o xale amarfanhado antes de blocar

ele esticadinho secando

Alguma vez você já teve algum momento de reflexão causado pelo tricô?