Google+ TRICÔ? SIM! tricô contemporâneo

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Use um fio de segurança para não perder todo o trabalho

Tudo bem com as senhoras? (se tiver algum homem lendo isso, saiba que eu chamo todo mundo de senhora).

Terminei meu Trellis Scarf e agora vou continuar fazendo um plain Haruni. Plain (plano), por que não farei o gráfico A, só farei a parte das folhas e aquele trecho que vem antes delas. Farei um Haruni 100% com um fio multicolorido que tenho aqui, um Malabrigo Lace na cor Archangel.

Fiz ponto meia até chegar em 249 pontos, aí comecei o que é o gráfico B, mas eu  n-ã-o-c-o-n-s-i-g-o seguir gráficos, então fui pela receita escrita.

Na receita diz que a partir da carreira 17, não haverá mais ponto central, mas sim uma seção central. Senti cheiro de confusão, então resolvi "dar um save" no meu trabalho.

"Dar um save"?

É igualzinho ao videogame: você salva, aí se der errado continua de onde salvou. Mas como? Usando o fio de segurança (lifeline), e para isso você vai precisar de uma agulha de tapeçaria (sem ponta) e um fio de cor diferente e maior que o seu trabalho.
Chegando na carreira onde você acha que deve salvar, você passa o fio pelos pontos do trabalho (mas não pelos marcadores de pontos), deixando uma boa sobra dos lados e segue tricotando normal. Caso dê caca em alguma parte, é só desfazer e parar quando chegar no fio de segurança.

Simples, né? mas muito providencial!

terça-feira, 24 de março de 2015

COMEÇANDO A TRICOTAR - FOR REAL

ÓOOOOLHA! Teremos ação hoje!

Neste vídeo explico vários fundamentos do tricô: montar pontos na agulha, ponto meia, ponto tricô, ler a receita, o que é avesso, direito, umas abreviaturas bastante usadas e como arrematar. É praticamente um ↓↘→+B (entendedores entenderão) dos vídeos de tricô.


O que você vai precisar: agulha e fio correspondente!

Êeeeeeee!




segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

TIPOS DE AGULHAS

"Quero montar meu kit de tricô mas não sei quais agulhas comprar, Denise." 

No vídeo eu explico mais e como elas funcionam, e do que são feitas, ok?




Então é basicamente isso:

Formatos

Elas podem ser retas, de duas pontas (em inglês aparecem nas receitas como “dpn”) ou circulares. Todas têm numeração que deverá ser escolhida em relação à espessura do fio/efeito desejado no tecido/ amostra.

  • Retas: São as mais tradicionais, podem variar ser mais curtinhas ou mais longas.
  • Duas pontas: Servem para fazer tricô tubular, entre outras coisas.
  • Circulares: Para fazer tricô tubular ou reto, quando são muitos os pontos.

Materiais

  • Plástico: As mais fáceis de encontrar, não prendem nem escorregam demais o ponto.
  • Metal: Existem dessas que são feitas para o trico rendado (mais pontudinhas), escorregam mais o ponto.
  • Bambu: Macias, não fazem muito barulho, prendem um pouco o ponto.
  • Madeira (rosewood, ébano): um prazer indescritível. E são lindas.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Tipos de fios

Então... essa conversa vai render, viu?

O tricô pode ser feito com fibras naturais ou artificiais/sintéticas ou ainda com fios que misturam as várias qualidades dessas fibras. Para um trabalho, é importante encontrar uma boa relação projeto/ponto/fio/utilidade.

No vídeo eu falo um pouco mais sobre isso.



Artificiais/ sintéticos

Vamos começar com os fios “man made”, ou seja, feitos pelo homem. O que nos leva ao acrílico e sua família muito unida e também muito ouriçada.
Neste conjunto encontramos fibras artificiais derivadas de celulose e fibras sintéticas derivadas de produtos petroquímicos.
Os tecidos feitos com viscose, raion, poliéster, acrílico e nylon, secam muito rápido, são super resistentes e quase não amassam, mas não absorvem a transpiração,e podem queimar na hora de passar.

Naturais

As fibras naturais são o algodão, o linho, a lã e a seda E SÓ. O resultado são tecidos confortáveis e flexíveis, duráveis, que absorvem a transpiração, mas amassam com mais facilidade e podem desbotar com o tempo.

UFA! Eu precisava falar isso!

Escolher o tipo de fibra para o trabalho é importante para o resultado que você quer ter. Não é exatamente “natural bom”, “artificial ruim”... Você não vai usar um fio de seda pra fazer uma cama pro gato! Então quando for fazer o próximo projeto, leve em conta as variáveis verba, finalidade da peça e o tipo da peça.

Espero ter ajudado!